Quinta-Feira, 21 de Setembro de 2017

CONTACTOS

STEC
NOTÍCIAS DE IMPRENSA
CAIXA DEIXA DE PAGAR SUBSÍDIO DE REFEIÇÃO NOS DIAS DE FÉRIAS
2017-04-20
JORNAL DE NEGÓCIOS
Diogo Cavaleiro diogocavaleiro@negocios.pt 

Até aqui, os funcionários da CGD recebiam o subsídio de alimentação, de 11,10 euros por dia, ao longo de 12 meses. Com a reestruturação em curso, a administração de Paulo Macedo deixa de atribuir subsídio nos dias de férias.
 
A Caixa Geral de Depósitos vai reduzir o subsídio de refeição dos seus trabalhadores em Portugal, avançou a revista Sábado. O banco público sob o comando de Paulo Macedo (na foto) vai deixar de atribuir este subsídio nos 25 dias de férias aos quase 9 mil trabalhadores da actividade nacional, o que acontecia até aqui. 
 
"A partir de Maio, (…) [deixarão] de ser processados os subsídios de refeição respeitantes às férias gozadas em cada mês", indica a nota colocada pelo banco na intranet, a que o Negócios teve igualmente acesso.
 
Até aqui, os trabalhadores da instituição financeira recebiam subsídio de refeição, no valor de 11,10 euros, nos 25 dias úteis que têm de férias. Estes dias significavam, portanto, um encargo de 277,5 euros por ano para a CGD por cada funcionário.
Agora, a administração decidiu abandonar esta prática e defende estar a alinhar-se ao Acordo de Empresa. "Este subsídio deverá ser pago por cada dia de trabalho efectivamente prestado, pelo que a Caixa irá passar a processar, ao nível das remunerações, o subsídio de refeição, nos termos daquele Acordo", continua a nota. 
 
Com esta decisão, e tendo em conta o pagamento de impostos, a remuneração com subsídio de refeição recebida será reduzida, tendo em conta os 25 dias úteis de férias que deixam de ser pagos, em 244 euros anuais (segundo cálculos feitos pela Sábado).
 
Poupança anual de 2,45 milhões
 
Tendo em conta o plano estratégico oficial, a Caixa conta com 8.868 funcionários na actividade doméstica. Multiplicando-os pelos 277,50 euros que deixarão de ser pagos anualmente a cada trabalhador, o banco estatal chegará a uma poupança em torno de 2,46 milhões de euros.
 
A CGD tinha este regime, já que, segundo explicou fonte sindical, recebiam um salário de 21 dias por mês, sendo compensados depois com o recebimento do subsídio de refeição mesmo nos dias de férias, ao contrário do que acontece na generalidade dos serviços públicos.
 
Segundo uma nota do Sindicato dos Trabalhadores das Empresas do Grupo CGD, citada pela revista Sábado, está a ser preparado um recurso para os tribunais. "Após sete anos sem revisão salarial e quatro anos sem promoções, a prioridade social da CGD é cortar no subsídio de almoço", critica essa mesma nota. Aí, é convocada uma reunião nacional de delegados sindicais para 4 de Maio.
 
Após a capitalização com recurso público de 3,9 mil milhões de euros da Caixa Geral de Depósitos, a Caixa tem de implementar um plano de reestruturação onde o ajustamento da infra-estrutural operacional, tanto na rede comercial como nas áreas centrais, é um dos pilares do plano. O objectivo de redução de custos operacionais até 2020 é de 20%. Até esse ano, a intenção é reduzir em 25% o número de colaboradores na actividade nacional.
 
TopoIr para lista

cgd_subsidio_alimentacao

Fotografia:Miguel Baltazar