Domingo, 27 de Setembro de 2020

CONTACTOS

STEC
INFORMAÇÃO STEC
CGD GARANTE QUE NUNCA VENDEU CARTEIRAS DE IMÓVEIS A EMPRESAS DAS ILHAS CAIMÃO. NEM COSTUMA FINANCIAR COMPRADORES
2020-07-31
EXPRESSO
Diogo Cavaleiro
31.07.2020 às 18h25
 

Paulo Macedo garante que é raro financiar o comprador de carteiras de imóveis e malparado
 
A Caixa Geral de Depósitos garante que não vendeu, nos últimos anos, pacotes de imóveis e crédito malparado a sociedades com sede nas Ilhas Caimão, como fez o Novo Banco em 2018, segundo noticiado pelo Público na segunda-feira.
 
“Nas vendas que a Caixa fez de algumas carteiras apenas as fez a entidades sediadas na União Europeia e a veículos sediados na Europa. Não temos entidades em Caimão ou outros”, respondeu Paulo Macedo na conferência de imprensa esta sexta-feira, 31 de julho.
 
Em relação ao financiamento ao comprador das carteiras, o CEO do banco público sublinhou que é raro acontecer, correspondendo apenas a 2% das operações. “Nós não costumamos financiar carteiras, fazer esse tipo de negócio“, continuou. Há financiamento de imóveis do balanço do banco a particulares, mas não quando se tratam de grandes pacotes de ativos.
 
O Novo Banco financiou parte da compra do portfólio de imóveis vendido em 2018. Embora a prática seja conhecida na banca, também o líder do BPI disse hoje que não costuma fazer.
 
Uma outra diferença face ao Novo Banco é que a Caixa consegue ganhos com estas operações, ao contrário do concorrente, sublinhou Paulo Macedo. Isto porque o banco contou com uma capitalização expressiva em 2016, que permitiu antecipar muitas imparidades e reconhecer à cabeça perdas, que tem acontecido apenas ao longo do tempo no Novo Banco.
 
Paulo Macedo também declarou que é feito um percurso nos departamentos do banco, sobretudo de compliance (conformidade), para aferir a idoneidade de compradores, nomeadamente se estão em listas de entidades sancionadas por branqueamento de capitais.
 
O caso das operações de vendas polémicas do Novo Banco tem causado celeuma política, e está agora a ser analisado pela Procuradoria-Geral da República.
 
 
 
TopoIr para lista

07_31_expresso
 
A sede da plataforma é na CGD, um dos bancos que fazem parte desta estrutura juntamente com o BCP e o Novo Banco.
 
Fotografia: Luís Barra